Qual a diferença entre TECAR Terapia e Radiofrequência Convencional?

Qual a diferença entre TECAR Terapia e Radiofrequência Convencional?


Nas últimas duas matérias, já descobrimos o que são radiofrequências e as diferenças entre FrequênciaIntensidade. Assim, entendemos que existem vários tipos de radiofrequência e os fatores que influenciam a forma como esta energia interage com o nosso corpo. E agora chegou o dia em que finalmente encaramos o elefante na sala e falamos abertamente: Afinal, qual é a diferença entre TECAR Terapia e Radiofrequência Convencional? Bora descobrir!

Radiofrequência Convencional

As radiofrequências convencionais emitem frequências de rádio “o tempo todo”. E que quase todas elas possuem ponteiras com dois ou mais polos (bipolares ou multipolares). Isso significa que já há um circuito elétrico nas ponteiras. Portanto, se você ligar um equipamento de radiofrequência convencional e apontar a manopla para o ar, o equipamento já está emitindo radiofrequência. Mas esta emissão só é realmente eficiente ao fazer contato com a pele. Assim, é fechado o circuito elétrico, fazendo com que a radiofrequência emitida pela ponteira penetre nos tecidos.

Outra característica bastante marcante das radiofrequências convencionais é que são as ponteiras que esquentam. Este aquecimento se dá pela passagem das correntes elétricas que geram o campo eletromagnético e, consequentemente, as frequências de rádio. E, conforme descrito acima, após a ponteira tocar na pele, a radiofrequência é irradiada pelos tecidos, atuando na área onde há polos de radiofrequência disponíveis.

A intensidade da corrente elétrica é muito relevante. Afinal, quanto maior for a intensidade aplicada, maior será a emissão de radiação eletromagnética. E, consequentemente, maior também será maior o aquecimento. Mas lembre-se: este aquecimento – quando excessivo – pode ser prejudicial. A energia gerada não ultrapassa totalmente a primeira camada da derme, o que pode tornar o tratamento desconfortável e ineficaz.

Aplicação de Radiofrequência Convencional na derme

TECAR Terapia

Já no caso da TECAR Terapia, o comportamento das radiofrequências é bem diferente do descrito acima. A começar pelo modo de emissão. Os equipamentos de TECAR Terapia contam com duas manoplas monopolares diferentes: uma de cerâmica – para transferência de energia capacitiva – e outra de metal – para transferência de energia resistiva. Cada uma destas modalidades energéticas proporciona efeitos terapêuticos diferentes. Em relação às radiofrequências convencionais, a TECAR conta ainda com o uso de um segundo eletrodo, conhecido em eletroterapia como placa de retorno ou placa de dispersão.

Esta placa de retorno deve ser posicionada distante de onde será utilizada a manopla, para que as correntes percorram todo o caminho entre o eletrodo e a placa de retorno, utilizando o tecido biológico como condutor.

E é aqui que o nosso entendimento da diferença entre Frequência e Intensidade vai valer a pena. Na TECAR Terapia, a intensidade das correntes emitidas pelo equipamento é muito semelhante à intensidade natural do corpo humano. Isso faz com que as células percebam esta radiofrequência como bioestimulante e biocompatível, e não como um estímulo externo, forçado, mecânico.

Eletrodo de Cerâmica – Energia Capacitiva

Ao utilizar a manopla de cerâmica, o tecido biológico transforma-se em um condutor de tipo 2, caracterizado por correntes de deslocamento, em vez de condução. Em razão disso, existe um acúmulo energético nos tecidos mais próximos ao eletrodo. Assim, o aquecimento acontece diretamente na pele e músculos (e não na ponteira) como acontece com as radiofrequências convencionais. E é bom ter em mente que a energia capacitiva viaja de um modo mais superficial nos tecidos do que a energia resistiva, atingindo derme, músculos e sangue.

A passagem da corrente nos tecidos, percorrendo o corpo da manopla até a placa de retorno, é semelhante a uma espécie de “formigamento”, e é acompanhada por uma agradável sensação de aquecimento, relaxamento e analgesia.

Aplicação de TECAR Terapia em modo Capacitivo

Eletrodo de Metal – Energia Resistiva

O eletrodo resistivo é metálico, portanto, condutor de eletricidade. Em razão disso, ele faz com que as cargas elétricas acumulem-se próximo aos tecidos mais resistivos, como tendões, ossos, cartilagens, tecidos fibróticos e afins.

A energia resistiva age em profundidade, permitindo atingir tecidos até então inacessíveis. E, da mesma forma como a energia capacitiva, ocorre um aquecimento interno, endotérmico, perto da superfície dos ossos e na junção com os tendões.

Aplicação de TECAR Terapia em modo Resistivo

Qual é a principal diferença, então?

Há muitas diferenças entre a radiofrequência convencional e a TECAR Terapia. Porém, a mais marcante é a forma como a corrente elétrica atua no tecido.

As radiofrequências convencionais, como vimos acima, aquecem a manopla, e emitem uma radiofrequência superficial. Por isso, têm dificuldade para atingir tecidos mais profundos. Como o circuito elétrico é pequeno – já que as manoplas em geral são multipolares – a área de atuação também é pequena.

Já a TECAR Terapia aquece os tecidos – tanto no modo capacitivo, como no modo resistivo. Como é o tecido quem conduz a energia, o tamanho do circuito depende da distância entre a manopla e a placa de dispersão. Desta forma, a corrente percorrerá todo o caminho entre os dois eletrodos, seja utilizando pele, sangue e músculos como condutores (energia capacitiva), ou ossos, tendões e articulações (energia resistiva).

Assim, tem uma atuação muito mais “longa” e muito mais “profunda” do que as radiofrequências convencionais. Além disso, por conta da intensidade da corrente elétrica – muito semelhante à do corpo humano – a TECAR Terapia é extremamente eficaz atuando como bioestimulante. Assim, promove um aumento de metabolismo praticamente “natural”, já que as células respondem a um estímulo muito semelhante ao “natural”.

E aí, você conseguiu entender as diferenças entre a TECAR Terapia e as Radiofrequências Convencionais? Caso tenha ficado com alguma dúvida, mande suas perguntas aí nos comentários e eu tentarei respondê-las da melhor maneira possível!

Matéria 1:

TECAR Terapia: um tipo de “radiofrequência monopolar”

Matéria 2:

TECAR Terapia: Qual é a diferença entre Frequência e Intensidade?

Conheça o equipamento:

TECAR Terapia – Physioled Therma – Locação

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Your email address will not be published. Required fields are marked *


{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}